Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Comprehensive Analytical Profile: Cape Verde

From AHO

Jump to: navigation, search
This analytical profile provides a health situation analysis of the Cape Verde and, coupled with the Factsheet, it is the most significant output of the African Health Observatory. The profile is structured in such a way to be as comprehensive as possible. It is systematically arranged under eight major headings:
1. Introduction to Country Context
2. Health Status and Trends
3. Progress on the Health-Related MDGs
4. The Health System
5. Specific Programmes and Services
6. Key Determinants
LocationCape Verde.gif

Download the full Taxonomy in PDF (trT)

Statistical profile
Introduction to Country Context

The English content will be available soon.


ArquipelagoCaboVerde (1).jpg

Cabo Verde é um arquipélago de origem vulcânica situado no Oceano Atlântico, a cerca de 455km do cabo que forma o extremo ocidental do continente africano. É constituído por dez ilhas e oito ilhéus, tendo no total uma superfície de 4.033 Km2. Geograficamente, o arquipélago divide-se em dois grupos, Barlavento e Sotavento, de acordo com os ventos dominantes. Ao norte, as ilhas-ao-vento (Ilhas de Barlavento) compreendem as ilhas de Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia, São Nicolau, Sal e Boa Vista. Ao Sul, Maio, Santiago, Fogo e Brava formam as ilhas-sob-o-vento (Ilhas de Sotavento). Administrativamente o país é dividido em 22 municípios. [1]

Health Status and Trends
Progress
Progress on SDGs
The Health System
Health system outcomes

The English content will be available soon.

MeninosMaosDadas.jpg

O Sistema de Saúde de Cabo Verde baseia-se nos modelos de Estado de Bem-Estar Social. O direito à saúde encontra-se constitucionalmente consagrado (artigo 70º), bem como a protecção social (artigo 69º) e pode ser considerado como sendo universal e tendencialmente gratuito [2].

Sendo assim, a promoção da saúde é vista como um investimento estratégico, uma vez que tem um forte impacto no desenvolvimento económico e social do país, além de influenciar o grau de desigualdade entre os cidadãos.

Leadership and governance

The English content will be available soon.

O Ministério da Saúde (MS) é um departamento governamental ao qual compete formular as propostas relativas à definição da Política Nacional de Saúde e das medidas legislativas correspondentes, promover e fiscalizar a sua aplicação e avaliar os respectivos resultados. O sector da saúde tem a responsabilidade de garantir à população o melhor nível possível de bem-estar físico, mental e social, assegurando a protecção e a promoção da saúde, por um lado, e a prevenção, o tratamento e a reabilitação da doença[3].

Rostos6.jpg

A política de saúde obedece aos princípios por que se rege o Serviço Nacional de Saúde, designadamente a Universalidade de acesso aos serviços em todos os níveis de assistência sanitária; a Solidariedade de todos na garantia do direito à saúde e na contribuição para o financiamento dos cuidados de saúde; a Defesa da Equidade na distribuição dos recursos e na utilização dos serviços; a Salvaguarda da dignidade humana e a preservação da integridade física e moral dos utentes e prestadores; a Salvaguarda da ética e deontologia profissionais na prestação de serviços.

Community ownership and participation

The English content will be available soon.

MocosTocando.jpg

A Promoção da Saúde aparece na PNS[4] como uma estratégia a ser desenvolvida para facultar uma ampla participação e uma acção sustentada de sensibilização, com vista à implementação de medidas conducentes à melhoria dos níveis de saúde e da qualidade de vida das populações.

Até os últimos anos Ministério da Saúde tem assumindo, quase que em exclusividade, as preocupações nessa matéria para levar a bom termo as medidas que se impõem, recorrendo a instituições da sociedade civil e a sectores do governo que respondem de maneira pontual[5].

Partnerships for health development

The English content will be available soon.

Igreja.jpg

A ajuda pública ao desenvolvimento em Cabo Verde passou de cerca de 75 milhões, em 2005, para 125 milhões de euros, em 2007, ou seja um aumento superior a 60%, representando à volta de 15% do PIB.

Um grupo de seis parceiros, composto pelo Banco Africano de Desenvolvimento, Áustria, Comissão Europeia, Países Baixos, Espanha e Banco Mundial, assinaram em Dezembro de 2006 um Memorando de Acordo com o Governo para afectar parte ou a totalidade da sua ajuda via apoio orçamental. Isto decorre das boas práticas do Governo e deverá permitir nos próximos anos o aumento da ajuda orçamental, que hoje representa 22% da APD. Outros países, nomeadamente, Portugal já aderiram à ajuda orçamental[6].

Health information, research, evidence and knowledge

The English content will be available soon.

A recolha, tratamento e análise de dados, com vista à produção de informação e conhecimento, para à tomada de decisão e acção, são condições fundamentais que alimentam qualquer sistema de informação. Assim, as diferentes secções aqui tratadas pretenderam dar uma ideia geral de como o sector da saúde se organiza, para a produção de conhecimento e a sua respectiva gestão. Analisou-se, em primeiro lugar, no contexto da sociedade de informação, em pleno desenvolvimento em Cabo Verde, as infra-estruturas de TI, a organização da informação sanitária, com a identificação dos diferentes intervenientes e do fluxo da informação no seio do sistema. Ainda nesse ponto, falou-se da perspectiva da criação de um Observatório de Saúde e de outro de Recursos Humanos.

Seguidamente, foram identificadas as principais fontes de dados e as formas de sua produção, os sistemas de vigilância existentes e foi caracterizada o processo de investigação no país.

Na secção sobre a gestão de dados, foram enfatizados os papéis do Instituto Nacional de Estatística e dos departamentos sectoriais, como entidades responsáveis pela recolha, tratamento, análise e divulgação de dados e a respectiva legislação de suporte.

Health financing system

The English content will be available soon.

Mulheres2.jpg

As despesas totais em saúde são superiores a 5% do PIB e, em 2006, representavam 129 dólares por habitante. A percentagem do Orçamento Geral do Estado atribuída actualmente para o funcionamento da saúde, à volta de 9%, é insuficiente para cobrir todas as necessidades actuais do Serviço Público de Saúde. O sistema público do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) contribui com cerca de 23% das despesas totais da saúde. A reforma em curso do INPS, criado em 1983, visa a extensão da sua cobertura (em 2007, a cobertura era de 23,8% da população residente) e o reforço da sua sustentabilidade financeira. As famílias contribuem com pagamento directo em cerca de 20% das despesas totais de saúde (sendo cerca de um terço para os medicamentos)[7].

Service delivery

The English content will be available soon.

A nível de oferta de cuidados de saúde pode-se dizer que esta é acessível e engloba todas as dimensões do ser humano e capazes de seguir os episódios de doença ou de risco[8], depende da organização de serviços, sobretudo da atenção primária e baseia-se em equilíbrios de:

Meninovacina2.JPG
  • Valores como equidade e solidariedade, que tenham em conta a liberdade de escolha e de participação e a dignidade dos beneficiários;
  • Objectivos entre a oferta de cuidados de saúde de qualidade e a optimização da utilização dos recursos, assegurando uma distribuição equitativa;
  • Elementos do conteúdo quais sejam cuidados de saúde globais, contínuos, integrados, pertinentes e eficazes na base de funções bem definidas do Centro de Saúde e da respectiva equipa técnica sob a liderança de um Médico.

As estratégias de oferta de cuidados de saúde existentes no país assentam:

  • Numa prática integrada de prestação de cuidados de saúde através de actividades de protecção e de promoção da saúde, de prevenção e de tratamento da doença e de recuperação de saúde, entendendo-se por:
Health workforce

The English content will be available soon.

CampanhaVacinacao3.JPG

A inexistência de um sistema de gestão dos recursos humanos do sector de saúde não permite o conhecimento real e actual da situação, embora diagnósticos parciais têm sido realizados. Aliás, o último diagnóstico, de 2004, mostra a fragilidade tendo em conta a ausência de uma política de recursos humanos e a existência de um sistema de informação lacunar sobre os recursos humanos da saúde.

Medical products, vaccines, infrastructures and equipment

The English content will be available soon.

CampanhaVacinacao2.JPG

As estruturas sanitárias, para além dos edifícios, necessitam de um parque de equipamentos adaptado às funções esperadas tendo em atenção o seu tipo e posicionamento na hierarquia da pirâmide.

Os equipamentos actualmente disponíveis nos estabelecimentos de saúde encontram-se, na sua generalidade, em fase de desgaste avançado, pouco diferenciados ou bastante incompletos em relação ao nível técnico previsto. Por outro lado, a dispersão e diversidade de marcas, de tipos e de origem dos aparelhos e instrumentos médico-sanitários em uso nos Centros de Saúde, Hospitais e outras estruturas de saúde cabo-verdianas constitui um constrangimento de peso para a manutenção e reparação dos equipamentos do SNS.

General country health policies

The English content will be available soon.

Rostos8.jpg

Cabo Verde passou por três modelos distintos de sistema de saúde no processo de organização e reorganização sectorial na tentativa de melhor responder às demandas da população[9]. O país passou por um sistema de saúde desorganizado e mal definido durante a era colonial até 1975. Num estágio seguinte do seu desenvolvimento experimentou um sistema completamente estatal com limitação da liberdade de escolha, tanto dos usuários quanto dos recursos humanos e provedores até 1991.

Universal coverage

The English content will be available soon.

Durante a última década, Cabo Verde tem tido um crescimento constante, impulsionado pelo turismo, remessas da diáspora, o investimento directo estrangeiro e ajuda ao desenvolvimento, enquanto o déficit orçamentário e da dívida pública permaneceram limitados. A maioria dos indicadores de desenvolvimento humano apontam para melhorias consideráveis e estão entre os mais altos na África subsaariana.

Meninos Tartaruguinhas.jpg

A expectativa de vida ao nascer é de 72 anos, a taxa de mortalidade infantil caiu pela metade nos últimos 20 anos, a taxa de alfabetização é de 80% e a taxa de matrícula no ensino primário recentemente chegou a 100%. A taxa de pobreza diminuiu de 36,7% em 2001 para 26,6% em 2007. Cabo Verde é um dos poucos países na África que prevê atingir todas as metas dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

Specific Programmes and Services
HIV/AIDS

The English content will be available soon.

PescadoresIlhadoSal.jpg

O primeiro caso de SIDA foi detectado em Cabo Verde em 1986.

Desde logo, um sistema de vigilância do VIH nas mulheres grávidas foi instaurado e permitiu obter taxas de prevalência de 0,48% em 1989 para 1,13% em 2002[10]. Em 2003 e 2004, com a introdução de novos postos de recolha, obtiveram-se prevalências de 0,89% e 0,44% respectivamente.

O segundo Inquérito Demográfico e de Saúde Reprodutiva (IDSR II - em inglês) realizada em Outubro de 2005 em 5.601 pessoas com idade de 15 a 49 para as mulheres e de 15 a 59 anos para os homens, indica uma prevalência à volta de 0,8%. De acordo com os dados provisórios do inquérito, a taxa de prevalência por sexo é de 0,4% para as mulheres e de 1,1% para os homens. O meio urbano apresenta uma taxa de prevalência de 0,9% e o meio rural de 0,6%[11].

Tuberculosis

The English content will be available soon.

Cerca de duzentos e setenta casos novos de tuberculose, todas as formas, são notificados anualmente em Cabo Verde, desde 2003.

Raio-X do peito de um paciente com tuberculose pulmonar avançada

Nesse ano a incidência foi de 65,51 casos por 100.000 habitantes e em 2005 de 57,93. Tendo em conta o consenso publicado pela OMS em 1999 em que o risco anual de infecção tuberculosa em Cabo verde é estimado em 1,5%, espera-se em Cabo Verde uma média anual variando entre 600 e 700 casos, de modo que que a taxa de detecção continua baixa, à volta de um terço dos casos.

Não estão disponíveis dados que nos permitam analisar, com rigor, a evolução da incidência da tuberculose nos concelhos, no entanto pode-se constatar, nos últimos anos, a incidência tem sido elevada na Praia, Santa Cruz e Tarrafal, que ultrapassam a média nacional. Na Boavista, Mosteiros e Porto Novo desenha-se uma melhoria da situação e nos restantes concelhos mantém-se um patamar endémico perto da média nacional[12].


Malaria

The English content will be available soon.

IlhadoSal.jpg

O Paludismo, ou Malaria, foi introduzido em Cabo Verde no Século XVI, sendo as ilhas mais afectadas na altura as de São Vicente, Sal, Maio, Boa Vista e Santiago.

Nos anos 40 do século XX representava 55% dos internamentos, pelo que várias missões do Instituto Português de Medicina Tropical para estudo clínico e laboratorial sobre o paludismo foram realizadas, tendo-se criado em consequência a Missão Permanente de Estudos e Combate de Endemias, mais tarde Missão para a Erradicação do Paludismo, cuja acção acabou por erradicar a doença no Sal em 1950, São Vicente em 1954, nas ilhas de Boa Vista e Maio em 1962, no Fogo em 1965 e na ilha de Santiago em 1968.

Immunization and vaccines development

The English content will be available soon.

MeninoVacina.JPG

O Programa Alargado de Vacinação (PAV) cobre actualmente oito doenças (Tuberculose, Hepatite B, Poliomielite, Difteria, Tosse Convulsa, Tétano e Sarampo).

Cabo Verde aderiu às orientações para erradicação da poliomielite instituindo as normas internacionalmente exigidas em particular, a vigilância activa das PFA e a criação do Comité de Erradicação da Poliomielite e do Comité de Peritos desde o ano 2002.

Medidas estão também em curso para o controlo acelerado do sarampo tendo em vista a sua eliminação, que consistem na vigilância, campanhas de vacinação cada 4 anos e no aumento da cobertura vacinal de rotina, de 74,3% em 2007 no entanto ainda inferior à meta preconizada, superior a 90%.

Child and adolescent health

The English content will be available soon.'

As doenças respiratórias agudas, diarreicas e as afecções perinatais constituem as principais causas de morbi-mortalidade infantil, embora não seja possível fazer uma análise comparativa da evolução.

Criancas.jpg

A mortalidade de menores de cinco anos e a juvenil tem melhorado de forma continuada e sustentada nas últimas décadas[13].

A incidência das doenças alvo do PAV (Tuberculose, Hepatite B, Polio, Difteria, Tosse Convulsa, Tétano, Sarampo) tem diminuído significativamente, não se registando surtos desde as últimas epidemias de Sarampo em 1997 e de Poliomielite em 2000.

Considera- se que o Tétano neonatal está eliminado em Cabo Verde com 2 casos notificados nos últimos 6 anos, sendo um em 2000 e outro em 2002.


Maternal and newborn health

The English content will be available soon.

As causas de morbilidade materna mais frequentes são infecções, anemia, hipertensão arterial e diabetes. Segundo dados do IDSR II,13 cerca de 43,2% das grávidas e 36% das que amamentam apresentam anemia.

Além de infecções genitais, os tumores benignos do útero e dos ovários e a endometriose são causas frequentes de consulta. Os cancros de colo do útero e da mama constituem importantes causas de mortalidade.

Mulheres.jpg

O aborto seguro nas estruturas de Saúde foi legalizado em Cabo Verde desde 1997, através da lei sobre a Interrupção Voluntária da Gravidez - IVG (Lei No 7/87 de 14 de Fevereiro).

No entanto existem factores relacionados com dificuldades de acesso físico, económico e cultural que constituem obstáculos à sua efectiva implementação.

Embora não existam dados fiáveis sobre o aborto clandestino, sabe-se que ele é praticado, constituindo ainda uma ameaça à saúde da mulher.

Gender and women's health

The English content will be available soon.

MulheresIlhadoFogo.jpg

Desde 1990, que o número anual estimado de mortes maternas em todo o mundo ultrapassa os 500 mil[14]. As taxas de mortalidade materna reflectem de maneira contundente a eficácia dos sistemas de saúde em geral, os quais, em muitos países de baixo desenvolvimento, padecem devido à precariedade da administração e da capacidade técnica e logística, à inadequação dos investimentos financeiros e à falta de pessoal de saúde capacitado.

A ampliação do número de intervenções – por exemplo, testagem anti-HIV no pré-natal, aumento do número de partos assistidos por pessoal de saúde capacitado, a garantia de acesso a cuidados obstétricos de emergência sempre que necessário e o provimento de atendimento pós-natal para a mãe e o bebé – poderia reduzir drasticamente a ocorrência de mortes de mães e de recém-nascidos.

Epidemic and pandemic-prone diseases

The English content will be available soon.

Rostos3.jpg

Devido à entrada do país na fase de transição epidemiológica em que as doenças não transmissíveis tendem a superar, em frequência e gravidade, as doenças infecto-contagiosas, estas representam novos desafios para o SNS em termos de necessidade de cuidados de saúde. Razão pela qual se justifica a necessidade de reunir numa abordagem concertada, as actividades de luta dirigidas às situações consideradas prioritárias, pelo impacto sobre a saúde da população, por exigirem medidas específicas, e ainda porque há condições reunidas para as controlar ou mesmo eliminar algumas delas[15].

O Sarampo, cuja última epidemia ocorreu em 1997, necessita ver reforçadas as medidas para o controlo acelerado da doença tendo em vista a sua eliminação e que consistem essencialmente na vigilância activa, na realização de campanhas de vacinação de 4 em 4 anos e numa cobertura vacinal de rotina superior a 90%[16].

Neglected tropical diseases

The English content will be available soon.

Das doenças negligenciadas apenas a lepra existe em Cabo Verde, apesar de se encontrar em declínio, e há referências para a filaríase linfática sem registo de número de casos;

Ilha de Santo Antão

Até a década dos anos 70 e início de 80, a lepra tinha uma prevalência relativamente elevada em Cabo Verde (3% em 1983), particularmente nas ilhas da Brava, Fogo, Santo Antão, Santiago e S. Vicente[17].

Os doentes mais graves do Fogo e Santo Antão eram internados nas gafarias de Praia Ladrão no Fogo e Barbasco, depois Sinagoga, em Santo Antão. O tratamento era, então, à base da monoterapia com Dapsona[18]. Os doentes menos graves eram tratados e seguidos a domicílio por agentes das Delegacias de Saúde.

A grande “viragem” na história da Hanseníase em Cabo Verde dá-se com a assinatura do acordo de cooperação entre o Ministério da Saúde e a AIFO (Associação Italiana Amigos de Raoul Follereau) em 1978.

Non-communicable diseases and conditions

The English content will be available soon.

Em Cabo Verde regista-se doenças não transmissíveis que são consideradas importantes pela sua frequência e gravidade, cuja incidência e prevalência não estão ainda integralmente quantificadas, nomeadamente, as doenças cardiovasculares incluindo a hipertensão arterial, cardiopatias isquémicas e os acidentes vasculares cerebrais, insuficiência renal crónica, diabetes, tumores malignos, particularmente gástricos e do foro genital, traumatismos diversos, deficiências nutricionais.

Rostos.jpg

As tabelas 4.10.2.1 e 4.10.2.2 indicam o peso dalgumas destas doenças no seio da população cabo-verdiana, o número de casos por sexo durante o ano 2010[19].

A situação nutricional e alimentar em Cabo Verde obrigou à programação de acções multissectoriais, que foram integrados no âmbito dum plano nacional de desenvolvimento socioeconómico. Nesse contexto, foram reforçadas as intervenções dirigidas às situações de mal nutrição e às alterações em micro nutrientes para a detecção precoce e adequada de novos casos e adopção das necessárias medidas preventivas e de recuperação e a continuação da promoção do aleitamento materno, exclusivo até os 6 meses.

Key Determinants
Risk factors for health

The English content will be available soon.

O primeiro inquérito nacional sobre os factores de risco para as doenças não transmissíveis realizado em 2007 (IDNT), definiu algumas situações problemáticas nomeadamente em relação ao elevado consumo do álcool: 53,2% dos inquiridos tinham consumido álcool nos últimos 12 meses anteriores ao inquérito dos quais 77,8% homens e 30% mulheres. Ainda neste grupo (últimos 12 meses), 15,4% dos homens e 3,4% das mulheres referiram um consumo diário do álcool.

Market.jpg

Ainda, segundo o IDNT, constatou-se que apenas 13% da população tem um consumo de frutas e legumes dentro dos padrões recomendados. O sobre peso e a obesidade apresentaram índices preocupantes, 26,4% e 10,6%, respectivamente com maior incidência nas mulheres, 28,0% e 14,6% respectivamente. A prevalência do consumo do tabaco situou-se à volta de 10% sendo maior nos homens que nas mulheres.

The physical environment

The English content will be available soon.

CaboVerdeLandscape6.jpg

O Governo adoptou o Plano de Acção Nacional para o Ambiente I e II, o qual apresenta um quadro estratégico de gestão racional e durável dos recursos naturais e das actividades económicas de luta contra a pobreza.

A difícil relação entre população e ambiente é uma característica fundamental da sociedade Cabo-Verdiana e a interdependência entre o ambiente e a pobreza é muito pronunciada.

A crescente pressão demográfica sobre o meio rural está na origem de uma corrente de êxodo para as principais cidades e centros secundários, dando lugar a rápida saturação das infra-estruturas, o aumento da pobreza urbana e problemas ambientais com impactos sobre a saúde pública e as condições de vida.


Food safety and nutrition

The English content will be available soon.

Segurança alimentar

FoodMaking.jpg

O país desenvolveu em 2002 uma Estratégia Nacional de Segurança Alimentar (ENSA) para o horizonte de 2015, executada através de programas quinquenais. Foi criada uma Rede de Segurança Alimentar, estrutura de coordenação que procura dar resposta às orientações estratégicas.

As acções executadas visam a estabilidade da oferta de bens alimentares de qualidade no mercado doméstico, o acesso aos mesmos, a sua utilização apropriada, o funcionamento de mecanismos de prevenção e gestão de crises alimentares, a solidificação do quadro institucional de segurança alimentar, a planificação e programação da Segurança Alimentar (SA) e o reforço da capacidade interventora dos actores. Estas acções são reforçadas nos conselhos onde há maior incidência de insegurança alimentar.

Social determinants

The English content will be available soon.

MeninasDancando.jpg

A sociedade cabo-verdiana, os cidadãos e os sectores sociais e políticos, em particular, são chamados a reforçar o seu envolvimento na promoção de novos hábitos e estilos de vida e na alteração dos determinantes sociais e económicos, contra as doenças associadas à pobreza, à exclusão e à ignorância.

A rede actual de estabelecimentos de saúde, apesar do número e da diversidade de estruturas existentes, que garantem a 73% da população o acesso a cerca de meia hora de marcha, precisa ser ampliada, não só para completar a cobertura desejada do total das populações, como também, e em prioridade, assegurar nas cidades-sedes dos hospitais centrais e regionais uma atenção primaria de qualidade aos seus habitantes[20].



References
  1. Politica Nacional de Saúde
  2. Constituição da República de Cabo Verde aprovada pela Lei Constitucional nº 1/V/99
  3. Decreto-Lei 39/2010 de 27 de Setembro que documenta o programa do Governo para a área da saúde
  4. Política Nacional de Saúde, MS, 2007
  5. Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário, 2008 – 2014; MS, 2008
  6. Estratégia de Cooperação da OMS com cs Países 2008 – 2013 Cabo Verde
  7. Estratégia de Cooperação da OMS com os Países 2008 – 2013 Cabo Verde
  8. Política Nacional de Saúde, MS, 2007
  9. Uma Análise compreensiva da reforma do sistema de Saúde de Cabo Verde: Identificando as perspectivas de futuro na opinião dos principais actores. Orlando Ferreira Dias, Recife, 2010
  10. Plano Estratégico Nacional de Luta contra a Sida, 2006-2010, CCSSIDA
  11. Plano Estratégico Nacional de Luta contra a Sida, 2006-2010, CCSSIDA
  12. Plano Estratégico Nacional de luta contra a Tuberculose, 2007-2011; GS, MS, 2007
  13. Programa Nacional de Saúde Reprodutiva, 2008-2012. MS, 2008
  14. Situação Mundial da Infância, 2009. Saúde Materna e Neonatal, UNICEF, 2009
  15. Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário, 2008 – 2011. MS, 2008
  16. Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário, 2008 – 2011. MS, 2008
  17. Plano Estratégico de luta contra a Tuberculose, 2007-2011; DNS, MS, 2007
  18. Plano Estratégico de luta contra a Tuberculose, 2007-2011; DNS, MS, 2007
  19. Política Nacional de Saúde, MS, 2007
  20. Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário 2008-2011, MS, Vol. II, 2008